Doce Amargo

As gotas amargas desse remédio
Retornaram-me a infância
Lembram-me a ingenuidade
que em outrora me pertenceu

Tempo em que o céu era mais azul
O oxigênio era tão leve quanto meu espírito
As manhãs de sol tão laranjas
E eu descalço na rua de terra fria

A bola rolava
Os meninos corriam
Gritavam, caiam, brigavam
Um menino chorava
Lágrimas sem peso
Transparentes não apenas na forma
Mas no fim era tudo alegria...

Após transpirar saudade
cheguei a conclusão que
nunca algo amargo foi tão doce.

Um comentário: